Slide1.PNG

 

O que fazer quando o colaborador te incomoda?

 

 

Você já deve ter passado por uma situação como essa... Inevitável pois diariamente nos relacionamos com diversas pessoas e situações, nos diversos papéis que executamos ao longo de um dia em nossas vidas.

 

Mas aqui vou focar o relacionamento dentro das organizações. Em minhas experiências percebo que as dificuldades nos relacionamentos tornam-se um grande problema, tanto para as pessoas como para as organizações.

 

Lembro ainda da primeira empresa que fui estagiar. O diretor, que era engenheiro, pediu que eu desenvolvesse um “Manual de Comportamentos”, descrevendo no mesmo a maior quantidade de situações possíveis, para que, quando ele tivesse um problema de relacionamento, pudesse consultar o manual. Parece até piada, mas não! É realmente muito triste perceber o nível de dificuldade que as pessoas têm para se relacionar.

 

Abaixo vou elencar, não um “Manual”, mas algumas dicas que podem te auxiliar enquanto líder e pessoa:

 

  • Cuidado para não transferir: Se você se pegar comparando essa pessoa e/ou seu comportamento com alguém que você não gosta, ou com uma situação vivida, provavelmente você está transferindo para esse colaborador uma experiência ruim, que teve em algum relacionamento. Importante: Isso não significa que a experiência irá se repetir, com essa pessoa, e nessa situação.

 

  • Evite provocações: fomentar provocações só irá acentuar a dificuldade de relacionar-se com essa pessoa. Evite também “pegar no pé”, pois comportamentos persecutórios podem comprometer até mesmo a empresa, gerando processos trabalhistas por assédio moral, demissões etc. Infelizmente  ao longo de minha experiência profissional me deparo com dezenas de líderes ainda nos dias de hoje com esse comportamento.

 

  • Pergunte–se: o problema que tenho com essa pessoa é técnico ou comportamental? Se for uma deficiência técnica ela pode estar ligada a uma deficiência na formação desse profissional, ou até mesmo por falta de treinamento nos procedimentos, ou seja, nesse segundo caso a responsabilidade por treinar e desenvolver esse colaborador é sua. No caso do problema ser comportamental é fundamental dar feedback, sempre descrevendo a situação que esse comportamento ocorreu, para que não fique como uma simples reclamação, sem dados objetivos. O colaborador precisa entender que esse comportamento, que te “incomoda” ocasiona em termos de resultado para organização.

​​​​​​​

  • Autoconhecimento: Se eu realmente me conheço tenho a capacidade de me relacionar melhor, pois conheço os meus limites, necessidades e expectativas ao me relacionar. Um grande recurso em nossos relacionamentos é o desenvolvimento da inteligência emocional, que nos proporciona vivenciarmos a maior quantidade de papéis com equilíbrio emocional. Para algumas pessoas a maturidade profissional e pessoal permite também que exercitemos melhores os nossos papéis.

 

Lembre-se:  “A incapacidade de lidar com as próprias emoções pode destruir vidas e acabar com carreiras profissionais”. Daniel Goleman

 

 

Elaine Moraes -Consultora Qualitas