Emoções tóxicas no trabalho.jpg

 

Emoções tóxicas no trabalho - Você já ouviu esse termo?

 

Vivemos nos dias de hoje um alto nível de pressão... dificuldades econômicas, políticas, familiares e todos estamos sendo direta ou indiretamente afetados pelas pressões. Isso reflete também nas empresas e para os profissionais que lidam constantemente com pressão por resultados, expectativas, cobranças dos líderes imediatos, clientes estressados, curtos prazos para tudo, etc.

 

 - Como será que estão as emoções dos profissionais nesse cenário? E como as empresas e líderes estão lidando com essas questões?

 

Segundo Peter J. Frest, autor do livro Emoções Tóxicas no Trabalho, o que transforma a dor emocional em emoções tóxicas são as atitudes prejudiciais diante das dificuldades enfrentadas no trabalho, agindo como uma substância que suga as energias das pessoas e de toda a organização, tendo como resultado baixo desempenho dos funcionários e nos lucros da empresa.

 

Estudos mostram que as organizações e seus líderes são responsáveis pelas dores emocionais, e que isso afeta o rendimento das pessoas. Prestar atenção nas emoções e tratar com respeito, todo líder pode e deve fazer. Quando trabalhamos num ambiente que nos reconhecem, valorizam e apoiam, os resultados são positivos e “contaminam” quem está por perto, surgindo assim o compromisso, o esforço, o bom humor, a lealdade e o engajamento.

 

Ao longo das minhas experiências como profissional da área de Recursos Humanos e como Consultora, observei algumas práticas e estratégias para os líderes aplicarem em suas rotinas, que favorecem um ambiente emocional  sadio nas organizações, que são elas:

 

  • Desenvolver as pessoas: ao desenvolver pessoas, automaticamente propiciamos o desenvolvimento de sua maturidade profissional e emocional. Isso não é só papel da área de recursos humanos. Todo líder comprometido com sua equipe propicia ações de desenvolvimento.

 

  • Criar locais de trabalho sem preconceito: respeito à religião, partido político, raça e até o time de futebol parecem chavões, mas infelizmente ainda são poucos respeitados nos dias de hoje nas organizações.

 

  • Estar presente nos momentos de dor e dificuldade: diga as pessoas estou aqui se você precisar! Em algumas situações não temos muito a fazer, mas estar próximo já faz a diferença nesses momentos.

 

  • Mostrar paciência e confiança: esse deve ser um grande exercício para os líderes, principalmente os que são comprometidos com o desenvolvimento de sua equipe.

​​​​​​​

  • Ajudar as pessoas a enxergar o lado positivo das coisas: é fato que ninguém motiva ninguém, mas elogiar, apoiar, agradecer e destacar pontos positivos, são ações que podem desencadear a motivação na equipe.

​​​​​​​

  • Mostrar segurança: a credibilidade, clareza e objetividade das informações, fazem com que a equipe de liderados sinta-se seguro.

​​​​​​​

  • Mostrar para as pessoas que elas são importantes para o sucesso da organização: o feedback positivo é uma das ferramentas que o gestor pode contar.

​​​​​​​

  • Ter mais compaixão: o líder consegue isso exercendo a empatia.

​​​​​​​

  • Colocar as pessoas em primeiro lugar: sempre diga o quanto as pessoas e seus trabalhos são importantes para a organização.

​​​​​​​​​​​​​​

Prestar atenção: perca um tempo no “bom” sentido da palavra, conversando com as pessoas, andando pelas áreas da empresa, observando comportamentos, atitudes, só assim você irá conhecer a equipe de trabalho.

 

Os líderes fortes precisam se preocuparem com as pessoas; isso tem que fazer parte do seu DNA”

 Texto produzido à partir do Livro - EMOÇÕES TÓXICAS NO TRABALHO – Peter J. Frest

 

 

 

 

Elaine Moraes -Consultora Qualitas